Bilingual proposal in deaf education: educational practices in literacy process

  • Márcia Cristina Florêncio Fernandes Moret UNIR- UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA
  • João Guilherme Rodrigues Mendonça UNIR- UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA
Keywords: Bilingualism, Literacy, Brazilian Sign Language.

Abstract

The teaching and use of the LIBRAS, in the deaf people education are indispensable for their development, building of their identity, autonomy, beside the communication with the world. The acquisition of the Portuguese Language is part of the regular school curriculum, and its command provides a relationship between language and society, which is mostly formed by hearing and users of this language. There is a concern related to the deaf people education, especially in literacy phase, which consequently extends through all the regular schooling, where the most part of the deaf students are finishing the high school without knowing how to read and/or produce in Portuguese Language. This problem affects the social development of these subjects, since the Portuguese Language is still required as if it were the deaf mother tongue, not respecting his/her culture, that has LIBRAS as their first language. The object of this research it to verify the methods and techniques in the deaf people literacy process and seek for other models, based on bilingual theory, ensuring the acquisition of LIBRAS, as a natural language and the teaching of Portuguese Language in a second language methodology, so that, in fact, the acquisition of reading and writing skills to materialize.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Márcia Cristina Florêncio Fernandes Moret, UNIR- UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA
Mestranda em Educação Escolar pela Universidade Federal de Rondônia- UNIR, Especialista em Tradução e Interpretação da LIBRAS pela Faculdade Santo André – FASA e Educação Especial Inclusiva pela Universidade Norte do Paraná- UNOPAR, Licenciada em Pedagogia – Habilitação em Magistério das Séries Iniciais e Orientação Educacional pela Faculdade de Educação de Jaru – UNICENTRO. Tradutora Intérprete de Linguagem de Sinais do Instituto Federal de Educação Ciência  e Tecnologia –IFRO.
João Guilherme Rodrigues Mendonça, UNIR- UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA
Pós-doutorando em Educação Sexual pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP); Doutor em Educação Escolar pela Faculdade de Ciência e Letras de Araraquara (UNESP). Mestre em Educação Física pela Universidade Gama Filho. Especialista em Gestão Escolar e Psicomotricidade. Graduado em Educação Física pela Escola de Educação Física de Volta Redonda e em Psicologia pela Universidade Federal de Rondônia. Atua há mais de 26 anos no Ensino Superior na Universidade Federal de Rondônia em atividades ligadas á docência nos Cursos de Graduação em Educação Física, Psicologia e Pedagogia. Atualmente é docente no Mestrado Profissional em Educação Escolar e no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Educação Infantil/UNIR. Membro do Grupo de estudos do desenvolvimento e da cultura corporal - UNIR e do Núcleo de Estudos da Sexualidade (NUSEX) – UNESP

References

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ constitui % C3 %A7ao.htm Acesso em: 10 jul. 2015.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei 10.436/2002, de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais Libras e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>. Acesso: em 13 jul. 2015.

BRASIL. Decreto Nº 5.626/2005, de dezembro de 2005. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm> Acesso em: 13 jul. 2015.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional- LDB, 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/leis/L9394.htm>. Acesso em 13.jul.2015.

BRASIL. Ministério da educação – Lei 7.853 de 24 de outubro de 1989 Portadores de Deficiência. Disponível em: < <http://www.pge.sp.gov.br/centrodeestudos/bibliotecavirtual/dh/volume%20i/deflei7853.htm.> Acesso em:28.jul.2015.

BRASIL. Ministério da educação - Política de Inclusão. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/docsubsidiariopoliticadeinclusao.pdf.> Acesso em 13.jul.2015.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Pedagogia da pesquisa-ação. In: Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 31, n. 3, dez. 2005.

FERREIRA BRITO, Lucinda. Integração social e educação de surdos. Rio de Janeiro: Babel, 1993.

GOMES, Nilma Lino. Indagações sobre currículo: diversidade e currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

LIMA, Elvira Souza. Indagações sobre currículo: currículo e desenvolvimento humano. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. 56 p.

OMOTO, Sadão. Normatização, integração, inclusão... Ponto de Vista-Revista de educação e processos inclusivos, v.1 n.1,1999. Disponível em:<http://wwwperiodicos.ufsc.br >. Acesso em: 20/06/16

PAULA, Ana Rita de. COSTA, Carmen Martini. A Hora e a vez da Família em uma sociedade Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2007.

QUADROS, Ronice Müller de. Educação de Surdos: aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artmed, 1997 – reimpressão 2008.

SASSAKI, R.H. Inclusão: Construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

SA, Nídia Regina Limeira de. Cultura, poder e educação de surdos. São Paulo: Paulinas, 2010.

SACKS, O. Vendo vozes. Rio de janeiro: Imago, 1990.

SKLIAR, Carlos. A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 2013, 6º edição.

VIGOTSKI, L.S. A Construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

Published
2016-12-31
How to Cite
Moret, M. C. F. F., & Mendonça, J. G. R. (2016). Bilingual proposal in deaf education: educational practices in literacy process. Revista Produção E Desenvolvimento, 2(3), 14-20. https://doi.org/10.32358/rpd.2016.v2.197
Section
Evaluation for educational development