Intensidade e uso de redes sociais no sul do Brasil

Rafaele Matte Wojahn, Aline Louise de Oliveira, Maria José Carvalho de Souza Domingues

Resumo


Uma rede social implica conectar pessoas. Este artigo tem como objetivo identificar a intensidade de uso da rede social no sul do Brasil. A pesquisa foi caracterizada como de abordagem quantitativa, descritiva, transversal, com uma amostra de 372 entrevistados. Para análise de dados foi utilizada a análise descritiva para caracterizar a amostra, verificar a freqüência de acesso das redes sociais e o tempo de acesso diário. E a Correlação de Pearson para identificar o tempo de acesso diário e as redes sociais. Os resultados indicaram que a rede social usada em mais intensidade é o Facebook e, em seguida, o Whatsapp, e o acesso ocorre em casa. No entanto, todas as redes sociais promovem as interações para com os usuários.


Palavras-chave


social networks; Facebook; Whatsapp; interaction.

Referências


AMARAL, A. Plataforma de música online: práticas de comunicação e consumo através dos perfis. Revista Contracampo, 147 – 170, 2009.

ANGLANO, C. Forensic analysis of WhatsApp Messenger on Android smartphones. Digital Investigation, n. 11, 201 – 213, 2014.

BARNES, S. J.; BÖHRINGER, M. Modeling use continuance behavior in microblogging services: the case of Twitter. Journal of Computer Information Systems, n. 51, v. 4, 1 – 10, 2011.

BURGESS, J.; GREEN, J. YouTube: online video and participatory culture. John Wiley & Sons, 2013.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CRONBACH, L. J. Coefficient alpha and the internal structure of tests. Psychometrika, v. 16, n. 3, 297-334, 1951.

GARG, S. et al. Evolution of an online social aggregation network: an empirical study. In: Proceedings of the 9th ACM SIGCOMM conference on Internet measurement conference. ACM, 2009. p. 315-321.

HAIR JR, J. F. et al. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HAMPTON, K. et al. Social networking sites and our lives. Pew Internet & American Life Project, v. 16, 2011.

HSU, C.-L.; LIAO, Y.-C. Exploring the linkages between perceived information accessibility and microblog stickiness: the moderating role of a sense of community. Information & Management, v. 51, n. 7, 833-844, 2014.

HSU, S. H.; WEN, M. H.; WU, M. C. Exploring user experiences as predictors of MMORPG addiction. Computers & Education, n. 53, v. 3, 990-999, 2009.

HUMPHREYS, L., et al. Historicizing New Media: a content analysis of Twitter. Journal of Communication, v. 63, n. 3, 413-431, 2013.

KAPLAN, A. M.; HAENLEIN, M. Users of the world, unite! The challenges and opportunities of social media. Business Horizons, n. 53, 59 – 68, 2010.

LEMOS, A.; LÉVY, P. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia. 2º edição. São Paulo: Paulus, 2010.

LERMAN, K.; GALSTYAN, A. Analysis of social voting patterns on digg. In: Proceedings of the first workshop on Online social networks. ACM, 2008. p. 7-12.

LISBOA, A.; FREIRE, G. Do instantâneo aos filtros: a estética fotográfica do Instagram. Temática, v. 10, n. 5, 2014.

MÁTTAR, J. Tutoria e interação em educação a distância. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

MONTAÑO, S. O tempo real do Justin TV: apontamentos sobre os sentidos da transmissão ao vivo na web. XXIII Encontro Anual da Compós, Pará, 2014.

MAZZOCATO, S. B. O uso da Rede Social fragmentada como fonte de referências na prática de Lifestreaming. Em Questão, v. 15, n. 2, 2010.

NADKARNI, A.; HOFMANN, S. G. Why do people use Facebook? Personality and Individual Differences, v. 52, 243 – 249, 2012.

PEARSON, K. Notes on the history of correlation. Biometrika, 25-45, 1920.

PITA, S. T. O. As interacções no Second Life: a comunicação entre avatares. Revista PRISMA. COM, n. 6, 2010.

PRIMO, A. O aspecto relacional das interações na Web 2.0. E-Compós - Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, v. 9, 1 – 21, 2007.

SANTOS, V. L. C.; SANTOS, J. E. As redes sociais digitais e sua influência na sociedade e educação contemporâneas. HOLOS, v. 6, p. 307-328, 2014.

SIMÕES, J. REDONDO, R. D.; VILAS, A. F. A social gamification framework for a K-6 learning platform. Computers in Human Behavior, v. 29, n. 2, 345-353, 2013.

SMITH, A. N.; FISCHER, E.; YONGJIAN, C. How does brand-related user-generated content differ across YouTube, Facebook, and Twitter?. Journal of Interactive Marketing, v. 26, n. 2, p. 102-113, 2012.

SZELL, M.; THURNER, S. Measuring social dynamics in a massive multiplayer online game. Social networks, v. 32, n. 4, 313-329, 2010.

THELWALL, M.; KOUSHA, K.. Academia. edu: social network or academic network? Journal of the Association for Information Science and Technology, v. 65, n. 4, 721-731, 2014.

VAN DIJCK, José. ‘You have one identity’: performing the self on Facebook and LinkedIn. Media, Culture & Society, v. 35, n. 2, p. 199-215, 2013.

WEIMER, M.; GUREVYCH, I. Predicting the perceived quality of web forum posts. Conference on recent advances in natural language processing, 2007.


Texto completo: PDF Inglês

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN: 2446-9580