PARQUES TECNOLÓGICOS: ALAVANCAGEM ECONÔMICA DO ENTORNO.

Jonatas Oliveira, Fabiano Marcos Bagatini, Rodrigo Barrichello, Marcio Paixão Rodrigues, Renato Francisco Habas

Resumo


Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa bibliométrica sobre como os parques tecnológicos alavancam a economia ao seu entorno. A partir de análises em relatórios do MCTI, Anprotec, Sebrae e ABDI, foi possível coletar os resultados para esse estudo. Os resultados obtidos sugerem uma contribuição significativa destes ecossistemas, com impactos sociais e econômicos nas regiões onde estão instalados. De acordo com estimativas mostradas pelo MCTI (2014) os parques científicos e tecnológicos do país apresentam um total de 939 empresas, com uma concentração na região Sul (40%), Nordeste (32%) e Sudeste (25%). Estes geraram mais de 32.237 empregos diretos. O estudo da Anprotec/Sebrae (2016) indica que os gastos das empresas incubadas resultam em um total de R$ 1.299.645.783,17 em renda para outros setores da economia e fomentam um total de 35.777 empregos indiretos, sendo que empresas graduadas geram de R$ 21.802.099.239,45 na produção nacional e R$ 12.280.929.318,43 na renda, além da geração de 338.071 empregos indiretos, totalizando R$ 24.109.335.573,61 na produção nacional, uma renda de R$ 13.580.575.101,59 e 373.847 empregos indiretos.


Palavras-chave


Parques tecnológicos, inovação, empregos qualificados, resultados econômicos.

Referências


ABDI. Projeto Parques Tecnológicos no Brasil Estudo, Análise e Proposições. Abril, 2007.

AMARAL, Roberto Rogério do. A arquitetura da liderança nos Parques Científicos e Tecnológicos da Catalunha: uma abordagem estratégica / Roberto Rogério do Amaral; orientador, Cristiano José Castro de Almeida Cunha; coorientador, Francisco Antonio Pereira Fialho. - Florianópolis, SC, 2014.

ANPROTEC. Estudo de impacto econômico: segmento de incubadoras de empresas do Brasil / Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. – Brasília, DF : ANPROTEC : SEBRAE, 2016.

ARAÚJO, Ronaldo Ferreira. A bibliometria na pesquisa científica da pós graduação brasileira de 1987 a 2007. R. Eletr. Bibliotecon. Florianópolis, v. 16, n. 31, p.51-70, 2011.

BERMÚDEZ, L. A. SPOLIDORO (1997), R. A Sociedade do Conhecimento e seus impactos no meio urbano. In: PALADINO, G. G. MEDEIROS, L. A. (org.) Parques Tecnológicos e Meio Urbano: Artigos e Debates. Brasília: ANPROTEC, 1997

CRUZ, Franciane Cougo da; et al. Tríplice Hélice na região da campanha: um ensaio teórico como fator estratégico de inovação e desenvolvimento. FACEF Pesquisa: Desenvolvimento e Gestão, v.16, n.3 - p.281-300 - set/out/nov/dez 2013.

GOMES, Myller Augusto Santos; COELHO, Tainá Terezinha; GONÇALO, Cláudio Reis. Tríplice Hélice: a Relação Universidade-Empresa em Busca da Inovação. Revista Gestão.Org, v. 12, n. 1, 2014.

GOMES, Myller Augusto Santos; PEREIRA, Fernando Eduardo Canziani. Hélice Tríplice: um ensaio teórico sobre a relação universidade-empresa-governo em busca da inovação. Int. J. Knowl. Eng. Manage., ISSN 2316-6517, Florianópolis, v.4, n.8, p.136-155, mar/jun. 2015.

HAUSER, (1997) Ghissia. “Parques Tecnológicos e Meio Urbano”. In: PALADINO, G. G.; MEDEIROS, L. A. (org.). Parques Tecnológicos e Meio Urbano: artigos e debates. Brasília: ANPROTEC, 1997.

HORÁCIO, F.. O Desafio de Implantar Parques Tecnológicos, 2008. Disponível em: http://www.anprotec.org.br/Relata/ArtigosCompletos/ID%20143.pdf Delimitando_o_framework_de_implantacao_de_parques_tecnologicos_parte4.pdf. Acessado em julho de 2016.

MANUAL DE OSLO. Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação.3 ed. Finep, 2005. http://www.finep.gov.br/images/apoio-e-financiamento/manualoslo.pdf Acessado em julho de 2016.

MCTI. Estudo de Projetos de Alta Complexidade: indicadores de parques tecnológicos / Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação – Brasilia: CDT/UnB, 2013.

MCTI. Parques & Incubadoras para o desenvolvimento do Brasil: Estudo de Práticas de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas / Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação – MCTI ; − Brasília : MCTI, 2015.

Parques & Incubadoras para o Desenvolvimento do Brasil : Propostas de Políticas públicas para Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas/ Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação – MCTI ; − Brasília : MCTI, 2015.

STEINER, J. E., CASSIM, M. B., ROBAZZI, A. C. Parques Tecnológicos: Ambientes de Inovação. Disponível em: http://www.iea.usp.br/publicacoes/textos/steinercassimrobazziparquestec.pdf. Acesso em: julho de 2016.

TIDD Joe; BESSANT John; PAVITT Keith. Gestão da inovação. Tradução Elizamari Rodrigues Becker... [et al].- 3. ed. -Porto Alegre : Bookman, 2008.

VICO MAÑAS, A. Gestão de Tecnologia e Inovação. 3 ed. rev. atual. São Paulo. Érica, 2001.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN: 2446-9580