Consumo e perda de água potável na região metropolitana do Rio de Janeiro

Wallace Silva Carvalho, José Diamantino de Almeida Dourado, Paulo Sérgio Rosa Fernandes, Bauer de Oliveira Bernardes, Cristiane Rosa Magalhães

Resumo


Diante do problema hídrico que se instalou no Brasil e da necessidade de se reduzir o consumo energético no país, se pensou como objetivo deste estudo, avaliar as condições de consumo e perda de água potável na região da Baixada Fluminense, inserida na Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RMRJ), visto ser emergencial a redução de desperdício e o uso eficiente e sustentável da água. Este estudo exploratório pretende, através de uma abordagem documental, identificar o cenário quantitativo de perda de água na região. Comprova-se que o quadro de perdas é mais grave do que em outros estados e que campanhas de conscientização devem ser implementadas como políticas públicas para a região. Também se sugere que tecnologias limpas de uso de agua possam ser incorporadas no cotidiano das residências e empresas permitindo a redução do consumo de agua.


Palavras-chave


Tecnologias; Água; Consumo

Referências


AITH, Fernando Mussa Abujamra; ROTHBARTH, Renata. O estatuto jurídico das águas no Brasil. Estudos Avançados, São Paulo, v. 29, n. 84, p. 163-177, Aug. 2015.

BATISTA, P. C. S. Medição e Controle de Consumo de Água em Instalações Prediais. Monografia (Engenharia de Controle e Automação). Universidade Federal de Ouro Preto. 2013.

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1988.

BRITISH BROADCASTING CORPORATION; “Mapa mostra escassez de água pelo mundo”. Disponível Acesso em 28 de maio de 2015.

CEDAE - Companhia Estadual de água e Esgoto (2015). Disponível em http://www.cedae.com.br/, consultado em janeiro 2015.

CERVERO R. The Transit Metropolis. A Global Inquiry. Island Press, Washington (DC), USA. 1998.

COSTA, F.J.P., RODRIGUES, M.G. Energia, meio ambiente e inovação tecnológica. Revista Produção e Desenvolvimento, v.1, n.2, p.15-26, mai/ago, 2015.

FRACACIO, N. Uso da água em Atividades Industriais. Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas – São José do Rio Preto, 2003.

HORTITEC. Disponível em: Acesso em 28 de maio de 2015.

LIMA, Jeferson Alberto de et al. Potencial da economia de água potável pelo uso de água pluvial: análise de 40 cidades da Amazônia. Engenharia Sanitaria e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 291-298, set. 2011.

MINISTÉRIO DAS CIDADES - Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgotos. SNIS: Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento, 2013.

MONZANI, R. M.; LONGHI, C. E.; SILVA, J. F.; DA SILVA, S. A. Consumo Escolar do Colégio Agrícola Senador Carlos Gomes de Oliveira, Conscientização do Uso e Formas de Tratamento. Mostra Nacional de Iniciação Científica e Tecnológica Interdisciplinar – III MICTI, 2009.

NIELSEN, M.J., TREVISAN, J., BONATO, A., SACHET, M.A.C. Medição de Água, Estratégias e Experimentações. Companhia de Saneamento do Paraná, Paraná, Brasil, 200 p., 2003.

OLIVEIRA, N.M., SILVA, M.P., CARNEIRO, V.A. Reúso da água: um novo paradigma de sustentabilidade. Élisée-Revista de Geografia da UEG (ISSN 2316-4360), v. 2, n. 1, p. 146-157, 2013.

OLIVEIRA, T.D., CHRISTMANN, S.S., PIEREZAN, J.B. Aproveitamento, captação e (re)uso das águas pluviais na arquitetura. Revista Gestão e Desenvolvimento em contexto- GEDECON, edição especial, 2015.

PASTRE, I. A.; MARQUES, R. N. Atmosfera, hidrosfera e litosfera como fonte de materais, influência do ser humano e avanços tecnológicos. UNESP/Redefor. Módulo IV. Disciplina 8. 2011.

PORTARIA n° 246, de 17/10/2000. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial – INMETRO. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – MDIC.

PORTARIA nº 436, de 16/11/2011. Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia – INMETRO. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – MDIC.

REBOUÇAS, A. C. Panorama da degradação do ar, da água doce e da terra no Brasil. São Paulo: IEA/USP, 1997.

REBOUÇAS, A. C.; BRAGA, B.; TUNDISI, J. G. Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. 3. ed. São Paulo: Escrituras, 2006. 748 p.

RECH, A. L. Água: Micromedição e Perdas. Porto Alegre: DMAE, 1992.

SENCER. Disponível em: Acesso em: 29 de maio de 2015.

SILVEIRA, S.C.L, ROQUETTE, R.P.L., OLIVEIRA, L.H. Desenho e Análise da Cadeia de Valor da Água Mineral no Brasil. Anais... Altec, 2013.

SOARES, A. L. F. Gerenciamento da Demanda de Água em Ambientes de Uso Público: O Caso da Universidade Federal de Campina Grande. Dissertação (Mestrado). Engenharia Civil e Ambiental. Campina Grande, 2012.

TAIRA, N. M. Novas tecnologias de equipamentos de monitoramento e controle de redes de abastecimento. IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas Centro de Metrologia de Fluidos.

TUNDISI, J. G. Água no século XXI: enfrentando a escassez. São Carlos, SP: RIMA, 2003. 248 p. ISBN: 85-86552-51-8.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN: 2446-9580