Expansão da Educação Tecnológica no Brasil e Rendição ao Mercado

  • Ari Paulo Jantsch (In memoriam) Universidade Federal de Santa Catarina
  • Luiz Alberto de Azevedo Instituto Federal de Santa Catarina-IFSC
Palavras-chave: Expansão, Educação Tecnológica, Mercado.

Resumo

O presente trabalho aborda a expansão da educação superior sob a modalidade de Educação Tecnológica no Brasil durante o governo Lula. Tal expansão se realiza mediante a oferta de Cursos Superiores de Tecnologia (CST), considerados como possibilidade mais adequada de curso à base da sociedade brasileira, a partir do compromisso com o “mercado de trabalho”. A nosso ver, nem a formação  cogitada, nem a suposta inserção privilegiada  no “mercado  de trabalho”, possibilitam a passagem da base social em questão para além da atual sociabilidade (ontologicamente  unilateral) do capital. Para fundamentar esse entendimento, recorremos  aos documentos do Ministério da Educação (MEC) e aos estudos desenvolvidos por pesquisadores da área de educação. Pretendemos, assim, demonstrar que essa expansão não viabiliza a passagem da base da sociedade brasileira para uma condição que a coloque como sujeito na atual sociabilidade do capital. Daí falarmos em rendição ao mercado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ari Paulo Jantsch (In memoriam), Universidade Federal de Santa Catarina
Graduado em Filosofia (1981), mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1986), doutor em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba (1997) e pós-doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2002), trabalhou anteriormente na Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC (então FISC). Foi professor da Universidade Federal de Santa Catarina até 2010 e coordenador do GT Filosofia da Educação da ANPEd.
Luiz Alberto de Azevedo, Instituto Federal de Santa Catarina-IFSC
Graduado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Santa Catarina (1987), graduado em Licenciatura Plena para Graduação de Professores pela Universidade do Estado de Santa Catarina (1987) e mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001), atualmente é doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Catarina. Integra o Grupo de Pesquisa Educação, Trabalho e Tecnologia vinculado ao IFSC, como seu coordenador
Publicado
2011-06-06
Seção
TECNOLOGIA & SOCIEDADE